domingo, 1 de junho de 2014

Em Macau, sê tu próprio


Houve no Domingo passado uma entrada no blogue da AICL - Associação Internacional dos Colóquios sobre a Lusofonia, assinado por um autor que terá alegadamente exercido a profissão de docente em Macau que gerou alguma polémica, mas que não tive, infelizmente, a oportunidade de comentar durante a semana. E foi pena, pois como sabem o tema forte foi a contestação à lei das garantias dos titulares dos principais cargos da RAEM, e fico ainda com mais pena porque actualmente a página a AICL não se encontra disponível - é como se tivesse evaporado. É estranho, e não acredito que terá sido por culpa do artigo em questão, e mesmo que fosse não existiria necessidade de encerrar a página inteira: bastava retirar essa entrada em particular. Fiz "bookmark" do artigo, e hoje que tive algum tempo disponível para abordar o tema, a página sumiu, pelo que vou ter que fazer um pequeno exercício de memória, o que não é difícil de todo, pois quanto a isto já tenho há muito uma opinião formada.

O título do artigo era "Ser português em Macau; vítimas de racismo e discriminação". Só com isto já para entender que o tema é deveras sensível, e o autor fala de algumas das suas experiências pessoais, e tira as suas próprias conclusões, que assume, e está completamente no seu direito. A peça foi divulgada na rede social Facebook, e causou uma certa indignação, especialmente junto de portugueses residentes em Macau, que chegam mesmo a questionar se o autor do artigo viveu efectivamente em Macau para ter legitimidade em produzir certas afirmações. Bem, eu diria que existem ali vários equívocos e alguns mal-entendidos em relação a certos aspectos, e uma intepretação muito livre de certos "choques culturais" que vão acontecendo, advindos do facto de nós portugueses, sermos diferentes da maioria dos residentes de Macau, que são de etnia chinesa. Se duas pessoas nascidas no mesmo país, na mesma cidade e até no mesmo hospital no mesmo dia e à mesma hora têm diferenças, o que dizer deste caso?

Há alguns pontos que o autor aborda em que não me resta senão concordar com ele. O primeiro tem a ver com a falta de informação que existe entre a comunidade chinesa sobre Portugal e sobre os portugueses, mesmo entre os que têm nacionalidade portuguesa, e o nosso passaporte como documento de viagem. Os chineses de Macau são aquilo que se pode chamar de "semi-apátridas"; não se identificam com Portugal de todo, e muito pouco com os chineses do continente - daí a expressão "ou mun yan" (澳門人), que difere da designação portuguesa de "macaense", ou "tou sang" (土生), literalmente "filho da terra", que se utiliza para os mestiços de ascendência portuguesa nascidos em Macau. Esta é uma das razões porque Macau é um local tão fascinante. Em pouco mais de 20 km2 e com uma população de meio milhão de habitantes existe uma mescla cultural e uma diferenciação que que pode levar a que cinco agregados familiares que habitem no mesmo andar de um prédio se diferenciem em muitos aspectos. Os próprios "ou mun yan" distinguem-se entre eles através dee critérios residenciais e geracionais. Os "ou mun yan" de S. Lourenço ou de S. Lázaro acham-se diferentes daqueles que vivem ou sempre viveram na zona norte da cidade, e os de terceira geração (cujos avós nasceram na China, mas os pais em Macau) demarcam-se dos de segunda geração (que nasceram em Macau, mas os pais na China), identificando neles preciosismos de índole cultural com que eles próprios já não se identificam. É realmente muito interessante.

E isto significa que existe racismo, discriminação, ou se quisermos, elitismo ou sectarismo. Julgo que não, e que os chineses em geral são por natureza um povo que preza bastante a sua privacidade, e sente-se mais à vontade "inter-pares", retraindo-se quando na presença de alguém que não lhe é culturamente compatível. Isto nota-se mais com os estrangeiros, e além da razão cultural, existe ainda um certo pudor em relação à vertente linguística. Um chinês, seja ele de Macau, Hong Kong ou da província de Cantão, sente-se mais à vontade na presença de outro da sua origem, mesmo que não sinta por ele empatia, mas sabe com o que pode contar. Na presença de um estrangeiro, seja ele um europeu, um norte-americano ou um africano, adopta uma posição mais defensiva, pois teme cometer alguma indelicadeza ou "gaffe" na forma como conduz o diálogo, ou cair em alguma armadilha durante o "trato social", que o leve a "perder face". A questão da língua dá-nos a entender um certo complexo de inferioridade. Os chineses são perfecionistas, e têm consciência que mesmo que dominem outra língua, o inglês por exemplo, a articulação da sua língua materna não lhe permite atingir o mesmo nível do seu interlocutor estrangeiro, e por isso é possível que evite travar um diálogo com ele - os chineses de Hong Kong são muito mais liberais neste aspecto. Outra questão a levar em conta, já que toco neste ponto, é a própria dimensão de Macau, que é apenas um enclave, e os horizontes da sua população são bastante mais curtos do que se vivessem num país com a dimensão de Portugal, onde se pode estabelecer um parâmetro de distância. Se um chinês de Macau nos perguntar onde fica Setúbal, e lhe dissermos que fica "a 50 km de Lisboa", ele tem a tendência para nos perguntar: "isso é como daqui até onde?".

É um facto que os portugueses descuraram o aspecto da educação dos residentes de Macau de etnia chinesa, mas também não é menos verdade que eles próprios tiveram a tendência para se "guetizar", ou seja, criar uma sociedade paralela à dos portugueses e dos macaenses. Isto seria sempre inevitável, uma vez que a maioria da população de etnia chinesa natural de Macau nasceu e cresceu já durante a era da China popular, que apesar do distanciamento e da abertura tardia (apenas a partir dos anos 80 passou a ser fácil atravessar as Portas do Cerco), nunca olvidou os "compatriotas" deste lado, e organizou-se em associações de cariz "patriótico", tendo como matriz didáctica a percepção de que os portugueses eram um povo "invasor", que ocupava parte do território chinês. Os balanços que evitaram os naturais atritos a que uma acepção deste tipo poderiam levar foram feitos, e bem feitos, quer pela administração portuguesa, quer pelos representantes da comunidade chinesa, nomeadamente os comerciantes e homens de negócios através da poderosíssima Associação Comercial de Macau e outras associações do núcleo duro, tal como os operários, "kai-fong", Tong Sin Tong e do Hospital Kiang Wu, e da própria Igreja Católica, que muitas vezes apaziguou certas diferenças que poderiam levar a situações desagradáveis. No fundo, as partes foram convivendo no mesmo território sabendo que todos poderiam beneficiar com um ambiente de paz e harmonia. E mais uma vez isto me leva a destacar o carácter único de Macau, o que torna o território num local tão especial.

Aquilo com que não posso mesmo nada concordar é com a definição que o autor tem de "racismo", nomeadamente no que toca a alguns termos que os chineses utilizam para tratar os estrangeiros. Chamar a um ocidental, especialmente um caucasiano de "gwei lou" não é a mesma coisa que chamar a um afro-americano de "nigger", ou qualquer outro epíteto racista semelhante. Aliás neste particular existe uma enorme hipocrisia da parte dos povos anglo-saxónicos, esses sim, racistas por natureza, mas que gostam de apontar o que consideram de "racismo" da parte dos outros. Foram os americanos, por exemplo, que cunharam termos como "spade" (espadas, o naipe de cartas), "spook" (susto) ou "chickaboo" (o equivalente a "escarumba", em português) para os negros, "towelheads" (cabeças-de-toalha) para os árabes, ou "gook", um termo depreciativo com origem secular, para designar os asiáticos em geral, especialmente os vietnamitas e os coreanos. Eu, pessoalmente, se chamar a alguém de "preto estúpido", faço-o por ele ser estúpido, e não por ele ser preto. E ninguém é realmente "preto", a não ser que esteja carbonizado, nem eu próprio sou branco - considero-me "rosáceo", como os leitões. Expressões que os chineses utilizam como "gwei lou", literalmente "demónio branco" ou "hak gwei", ou "demónio preto" não significam literalmente que estão a chamar a alguém de "demónio". Outra expressão, "ngao chai", ou "cowboy", reservada aos portugueses e outros estrangeiros, ou "hong mou gwei", que significa "demónio de cabelo vermelho", uma expressão reservada aos ruivos. Mesmo os "pak tao", ou "cabeças brancas", termo usado para os indianos, árabes e especialmente para os "parsis" tinham a ver com o turbante que estas pessoas usam para tapar a cabeça. Isto é o que os locais, que como referi acima não têm os mesmos horizontes que muitos de nós, viam com os seus olhos, sem que lhes fosse explicado o porquê destes sinais particulares exibidos por alguém que não era igual a eles. Expressões como "gwei lou" e as restantes adquiriram o significado de "estrangeiro", apenas isso, e não têm qualquer conotação racista.

O que é verdade e não me resta senão concordar é com a ideia que o autor transmite que os chineses nos consideram um país "pobre", ou "atrasado" e ainda "fraco". Isto dava uma discussão para horas e horas, mas quem os pode censurar, se nós próprios não nos temos muito em conta, e sofremos de uma certa tendência para o fatalismo? Mas há uma razão para este tipo de preconceito, e tem a ver com as notícias que têm chegado recentemente em relação aos mercados, ao pedido de ajuda económica que Portugal fez e levou a tão badalada "troika" até ao nosso país, a questão da dívida, etc, etc. Não vamos exigir que os chineses fiquem completamente inteirados da nossa situação económica ou do que se passa realmente em Portugal, pois não? Quanto ao facto de não saberem apontar Portugal no mapa ou não conseguirem dizer uma frase em português, apesar de terem nacionalidade portuguesa, isto é produto de anos e anos a fio de desinteresse mútuo e de costas voltadas - ninguém nos impediu de lhes dar a mão, nem eles de se aproximarem de nós. O abismo foi criado voluntariamente, e há chineses sem qualquer ascendência portuguesa ou qualquer outra que falam português, sentem-se portugueses e gostam de Portugal. E esta foi a nossa maior conquista. E o que tem, se partilham connosco a nacionalidade, se nós partilhamos este lugar com eles? O importante para um português que queira viver em Macau não é tanto respeitar as diferenças, mas entendê-las. E uma vez que este patamar é atingido, basta sermos nós próprios, e se tivermos qualidades, certamente que eles nos acolhem, e aproveitam para tirar disso dividendos. Onde o autor daquele artigo peca, é por se assumir como professor, e não ter tido a humildade para ele próprio aprender mais, e assim mostrar que os seus horizontes são mais curtos que os dos locais.



1 comentário:

Chrys Chrystello disse...

a página da AICL apoenas deixa de estar visível na manutenção mensal que dura minutos... e há esclarecimentos necessários, o comentário consta do blogue da AICL e não da página ou portal d AICL (www.lusofonias.net), que são entidades com fins e cnteúdos distintos. o blogue está
http://blog.lusofonias.net/ e tem a not+icia original e vários comentários e uma notícia final de encerramento do tema. Agradeço seja dado idêntico relevo a este esclarecimento
Chrys Chrystello, Presidente da Direção da AICL responsável pelo blogue