quinta-feira, 15 de junho de 2017

Obrigado, pá!


Recebi hoje um e-mail deste "Blogs Portugal", e sinceramente não me lembro de me ter inscrito em qualquer medidor de "rankings" de seja lá o que for, mas epá, esta notícia fez bem ao ego - o Bairro do Oriente subiu 93 lugares na categoria de "outro". Bestial! Obrigado a todos que ainda vão visitando este cantinho, apesar do Blogger já ser mais ou menos uma coisa do passado.

É verdade que não tenho actualizado aqui a tasca com a regularidade que desejaria, mas a também é um facto que me tem faltado tempo, tenho andado embrenhado noutras lutas, e enfim, este projecto tem andado um bocado entregue ao vento. Mas quem me tem acompanhado desde o início sabe que não me rendo, e é apenas uma questão de tempo - e disponibilidade - para que o blogue mais lido de Macau volte a bombar. Mais uma vez obrigado, e um grande abraço.


Um vermute e um sorriso


Sabe tão bem chegar a casa, e encontrar o nosso Vermute a sorrir para nós, sem pedir nada, sem nos chatear, sem se queixar da vida...ai...


Não, não é uma família - são bonecos


O Partido Nacional Renovador (PNR, vulgo "partido hilariante") publicou na sua página do Facebook esta imagem, com a legenda "Isto sim, é uma família". Não, isto são bonecos, e não uma família, da mesma forma...



...que isto é não é um pedófilo a tentar agarrar uma criança. Trata-se apenas do sinal de trânsito de "Atenção, escola". 

A propósito, os paladinos da anti-censura do PNR (ah ah ah ah!) impediram-me de comentar na sua página, apesar de eu o ter feito, sei lá, uma vez? E nunca escrevi nada que fosse mentira, ou que se possa considerar de mau tom. São uns cromos, em suma.


Um exemplo de desportivismo


Enquanto que pela maior parte da Europa as competições de futebol atravessam já o período do defesa, em Espanha ainda se jogam os "play-offs" de acesso à promoção a divisões superiores. Na Terceira divisão as meias-finais da qualificação para o "ascenso" à II Divisão colocou frente a frente o CD Castellón, da comunidade valenciana, e os navarros do Peña Sport, da cidade de Tafalla. Na primeira mão, em Castellón de la Plana, os locais venceram por 4-2, e no jogo do retorno um grupo de adeptos que se deslocou a Navarra ficou retido na região da Saragoça, quando o seu autocarro avariou. Sabendo disto, e num gesto de desportivismo que é de louvar, o Peña Sport mandou um dos seus autocarros para ir buscar a "afición" adversária. E em boa hora...


...pois aqui estão eles, os adeptos do Castellón, a vibrar com a sua equipa no campo de San Francisco, em Tafalla. Dentro das quatro linhas é que as coisas não correram assim tão bem para os visitantes, que perderam por 2-0 e foram eliminados, com o golo decisivo do Peña Sport a ser obtido já nos descontos. Os navarros vão agora discutir a promoção à divisão de bronze do futebol espanhol frente ao Náxara, de La Rioja.


sábado, 10 de junho de 2017

Loucura, santa loucura



Para concluir mais uma semana (de laxismo), eis o artigo da última quinta-feira do Hoje Macau. Um bom fim-de-semana e um feliz 10 de Junho para todos os portugueses espalhados pelo mundo, e para os amigos da Lusofonia.

Viva! Reside em Macau, e não é maluco? Bipolar? Esquizofrénico? É normal, portanto. Ora, nem sabe o que está a perder, pois em Macau vale a pena ser louco. Nem que seja um bocadinho, mas quanto mais melhor. Garantidamente ninguém se mete consigo, enquanto que se der o caso de ser uma pessoa normal, arrisca-se a ter que prestar contas à Polícia, ao Ministério Público, à Auditoria, ao CCAC, tudo! Macau é “no country for sane men”. Lembram-se daquele idoso sem abrigo que costumava ficar especado no meio do Largo do Senado a emanar um intenso odor a urina? Muitos anos passaram, e o senhor muito provavelmente já terá ido ter com o criador, mas na altura em que era um enfado para residentes e turistas, chegou a haver quem tivesse interpelado as autoridades e chamado a atenção para o caso. Resposta da polícia? “O senhor tem o direito de estar ali, se quiser”. Viva o segundo sistema, onde se consagra o direito de se revelar o que vai quer na alma, quer na bexiga.

Atendamos ao exemplo do “estranho amarelo”, como é conhecido entre locais e turistas aquele indivíduo que quase diariamente pontifica na Avenida da Praia Grande, e debitar altos decibéis de poluição sonora através de uma grafonola rachada, e a exibir danças tribais entre no meio da estrada, entre os sinais vermelhos para o trânsito. Experimente o leitor desatar a berrar a meio do dia naquela artéria da cidade, e em menos de cinco minutos tem a polícia à perna. Um dia destes alguém partilhou nas redes sociais uma imagem do referido indivíduo a viajar num transporte público com todo o aparato que o acompanha – cartazes, megafone, roupagem estúpida, tudo a que tem direito. Tente o leitor entrar num autocarro com duas malas de viagem, e vai ver como é dali escorraçado em menos que nada.

O pior mesmo é quando a loucura parte de onde menos se espera, ou de onde nunca deveria partir. Ainda esta semana os Serviços de Saúde (SS, e nem por acaso) anunciaram um sistema de delação, onde se encoraja os residentes a denunciar quem estiver a fumar em espaços proibidos para o efeito. Ora isto de fumar não é bem a mesma coisa que montar uma barraca de farturas, e já consigo imaginar a situação:

– “Ah ah! O senhor está a fumar aqui, onde não é permitido?”

– “Sim…olhe não sabia”.

– “Ai não? Então olhe, fume devagarinho que eu vou ali chamar o fiscal!”

– “E se entretanto eu acabar o cigarro?”

– “Acenda outro!”

Claro que a excepção seria sempre para o estranho amarelo. Esse bem podia estar a fumar numa maternidade ou no Macau Dome, e ninguém dizia nada.

E do que me estou eu a queixar? Ora essa, de coisa nenhuma. A loucura é que está a dar, garanto-vos, ou não me chame eu Napoleão Bonaparte.

PS: Realizam-se as eleições no Reino Unido, numa altura em que o país está mergulhado numa onda de insegurança devido a mais um atentado levado a cabo em Londres no último sábado, e uma outra de incerteza devido ao Brexit. Fico a torcer para que a partir de hoje a sra. Theresa May passe a uma (infeliz) nota de rodapé da História. E não, agora não é loucura.



Grande galo




10/6



Saudações a todos neste dia de Portugal. Dos portugueses. De todos os portugueses. Da Lusofonia. De quem fala a nossa língua por esses quatro cantos do mundo. Não só para quem é, mas para quem se sente português. É este o nosso fado. Viva Portugal!


Como ousais?



Faz-me uma confusão tremenda como é possível que haja quem não goste do Cristiano Ronaldo, e mais ainda quando se trata de um português. Quem não liga ao futebol e quiser permanecer indiferente, tudo bem, mas...não gostar? Dizer mal? Ontem durante o jogo com a Letónia deu uma prova de humildade, de saber estar, ao lidar da forma que vemos na imagem com aquele pequeno "invasor de campo", que mais não queria do que abraçar o seu ídolo.

Há pessoas que levam a rivalidade clubística ao limiar do ridículo; o Cristiano foi formado no Sporting, eles são adeptos da agremiação do outro lado da circular, OK, podia dizer que "entendo", mas estaria a mentir.

O Cristiano pode ter adquirido na Academia de Alvalade os fundamentos básicos sem o qual nunca teria sido um grande jogador - e parabéns ao Sporting, por isso - mas quem acompanhou a sua carreira e a sua evolução como atleta, sabe que o mérito não é todo dos leões.

Deixem-se lá de coisas pá, que o homem levou-nos a uns píncaros onde nunca imaginámos chegar. Temos o melhor do mundo, e quem sabe o melhor de todos os tempos, e isto como português e adepto de futebol, deixa-me simplesmente extático.

Quanto aos que desprezam o homem por ter "comprado um filho" (patético...), ou por outros motivos que se prendem com a sua vida pessoal, a esses só posso recomendar uma boa dose de psicoterapia. Curem-se, e vão ver que serão mais felizes.

Obrigado mais uma vez, CR7.


quinta-feira, 8 de junho de 2017

Eu, vodu



Tenho os melhores fãs, a sério. "I have the best ratings, the best", e "I know words, I know the best words".

Obrigado, Cláudia Ramos 😉


segunda-feira, 5 de junho de 2017

Dia do adulto (com birra)


E mais uma vez, nunca é tarde nem é cedo para o artigo de quinta-feira do Hoje Macau. Tenham uma semana fresquinha, que aqui o calor é f..a.


Eis-nos em Junho! Chegou o Verão, e com ele chega o calor insuportável, a chuva das monções, os tufões, e o período em que começamos a contar os dias até desopilar daqui para fora por um mês ou menos, para “arrefecer o radiador”. Espero ainda que tenham aproveitado bem o feriado do Barco Dragão, da última terça-feira, que agora o próximo é só em Outubro. Sim, e para quem está no rectângulo, lembre-se de nós, “os sortudos de Macau”, quando estiver a levar a cabo as sardinhadas, os arraiais, os concertos pimba e tudo mais que arranca em Junho e só acaba em Setembro – e depois ainda se arranja mais qualquer coisinha, aposto.

Enquanto isso, é Macau porta-fora, porta-dentro. Ainda na segunda-feira de manhã saí de casa todo bem disposto, com aquela sensação de “falsa sexta-feira”, pois no dia a seguir era feriado. Eram oito e meia da manhã, uma hora perfeitamente razoável para percorrer 1200 metros a pé até ao buliço. Ou seria, não fossem os percalços começar logo à saída da porta. Um vizinho meu partiu recentemente uma perna (coitado) e resolveu nesse mesmo dia sair de casa à mesma hora que eu, acompanhado da anda de metal, proporcional à sua larga moldura, uma perna no chão e a outra pendurada (outra vez, coitado), a mulher a dar-lhe o braço, e atrás vinha o seu pai, com a cadeira de rodas. Isto tudo para caber dentro de um elevador com uma área de seis metros quadrados.

Saindo dez ou quinze minutos depois para ir passar a manhã toda a apanhar o tão necessário solinho, não me deixava a rogar-lhe pragas o dia todo. Até porque depois o elevador pára noutros andares, e lá vão as mui-muis e os pi-pis, acompanhados das avós e das empregadas, e normalmente nunca falta aquele senhor obeso que entra no quarto andar para sair na garagem dois pisos abaixo. É por isso que é gordo. Curiosamente em matéria de civismo ganha o meu vizinho do sétimo andar, um taxista dono de um cão daquelas raças tipo “mastim”, e que nunca entra no elevador se estiver acompanhado do animal. Trata-se aqui de uma muito honrosa excepção.

Depois na rua é outra aventura. A desvantagem de trabalhar quinze minutos a pé de casa é não se poder alegar um atraso por “greve dos transportes”, porque aqui também não há (greves, pois os transportes “vão havendo”). Mas andar na rua já foi mais fácil. Ainda nessa tal segunda-feira passada, evitei um individuo que vinha na minha direcção direito que nem um foguetão norte-coreano, enquanto olhava para o infinito, certamente à espera de ver a deusa A-Má montada num dragão. Enquanto noutros pontos podíamos sensibilizar o indivíduo no sentido de “olhar para onde anda”, nestas situações o melhor mesmo é ligar o escudo anti-míssil, e irmos à nossa vida, para evitar conversas de surdos.

Finalmente o último terço do percurso, mais sinal ou menos sinal vermelho lá se vai chegando a horas, por entre uma multidão de gente com a cara espetada no telemóvel a ler os comentários às fotografias pirosas que partilharam no fim-de-semana, ou a jogar ao “Bubble-qualquer-coisa” no Facebook. É tudo gente muito ocupada, a quem ainda foram dar essa enorme chatice que é ter que ir de manhã para o emprego. É a esses heróis que dedico este artigo, e não é com este discurso de tosse de catarro que estou a tentar educar ninguém. Sabe bem desabafar, e ainda por cima hoje tenho um desconto; se é o dia mundial da criança, porque não também do adulto com birra?


Morreu Manuel Noriega


E já foi há uma semana - deram por isso? Noriega foi o presidente do Panamá que o presidente George Bush (pai) detestava por exigir que os americanos devolvessem ao Panamá o...canal do Panamá. Era também o maior desafio a um dermatologista, com aquela cara toda furada. Tinha 83 anos. O actual presidente panamaniano, José Carlos Varela, afirmou por ocasião da morte de Noriega que "se encerrou um capítulo da história do país". E a América ali tão perto...


O melhor de sempre


Este gajo publica um vídeo, e em meia hora tem mais de dois milhões de visualizações, mais de 175 mil "likes", e mais de 12 mil partilhas. Este não é o melhor jogador da actualidade - é o melhor de sempre! Obrigado, Cristiano.


sexta-feira, 2 de junho de 2017

Prezidente Maria Vieira


Muito se tem falado de Maria Vieira estes dias, e outra coisa não seria de esperar. Era tão certo o caso "rebentar" como duas latas de insecticida no micro-ondas. O rastilho acendeu-se quando a pessoa que escreve na sua conta do Facebook teceu comentários inoportunos e descabidos a propósito de Salvador Sobral, chamando-o de "idiota encartado que não diz o que sabe e não sabe o que diz". Houve reacções que seriam de esperar, outras nem por isso, e ainda quem tenha saído em defesa das declarações da actriz através da sua conta do FB. Estes últimos, os mesmos de sempre, foram pegar nos argumentos do costume: a censura, "marxismo cultural", e a liberdade de expressão à cabeça. Entre os (muito) ingénuos que se acham capazes de ficar do lado da "Maria Vieira", existe uma maioria de cúmplices. Que raio de "liberdade de expressão" é esta que V. Exas. protelam, quando é mais que sabido que quem escreve não é a Maria Vieira, mas sim o marido dela. Um gajo de cinquenta e tal anos que usa a conta da mulher, uma semi-celebridade do mundo do espectáculo de variedades, para pensar mensagens de teor político. Podiam ser as melhores, e estar coberto das melhores intenções, que continuaria a ser condenável. Tenham dó. Vá lá, falemos a sério.

Posto isto de lado, estou em condições de confirmar as notícias que davam conta da possibilidade de Maria Vieira concorrer às próximas eleições presidenciais com o apoio do Partido Nacional Renovador (PNR). O convite foi feito na conta da actriz por um militante do referido partido, e parece ter sido bem recebido. Onde é que eu vi isto, e do que é que eu estou a falar? Disto, aqui:


Como aqui se trata de gente muito "séria", que se preocupa "a sério" com os problemas "sérios", suponho que isto oficializa a coisa: Maria Vieira é o trunfo (?!) do PNR na próxima corrida a Belém. Tremei, Marcelo Rebelo de Sousa. Não vale a pena, portanto, tirarem do ar os cartazes. Quais cartazes? Estes:


Nada como começar mais cedo, para ganhar avanço, pois não? Quanto a tudo mais que tenho lido sobre este novo "affair" do Monte dos Vendavais (Estoril), posso dizer que a esmagadora maioria dos "cidadãos comuns" da República, que estão "fora" da intriga relacionada com o autor dos textos da Maria Vieira, estão revoltados com a atitude da actriz. Boa sorte em encontrar "patriotas" que cheguem entre tantos "comunas atrasados mentais", ó chefe.


quinta-feira, 1 de junho de 2017