segunda-feira, 13 de junho de 2016

Maria Vieira xenófoba - a confirmação


Se fosse mesmo preciso PROVAR aquilo que venho dizendo há meses sobre Maria Vieira, uma pessoa má, mesquinha, invejosa, ressabiada e cínica, isto seria para lá da confirmação, de uma prova cabal. Depois de vários dias remetida ao silêncio (a última entrada datava de 8 de Junho), eis que o radar islamófobo de Maria Vieira dá o alerta vermelho: um atentado nos Estados Unidos faz 50 vítimas mortais, e foi perpetrado por um muçulmano. Isto é o quanto baste para que esta XENÓFOBA DECLARADA se encha de brio e comece a expelir o ódio acumulado desta a última "evidência" do "fracasso" que representa a globalização na sua vertente do multiculturismo e do mundo sem barreiras culturais. Eu próprio olho para as imagens que nos chegam do Brasil, de mulheres altas, elegantes, bonitas e sem qualquer defeito de nascença aparente, e fico sem entender como é que a Maria Vieira não é logo colocada de quarentena mal chega ao aeroporto, em  cada uma das muitas vezes que lá vai. É um mistério, realmente.

O que não é mistério nenhum é a predisposição de Maria Vieira para considerar seres humanos de segunda todos os que não correspondem à sua bitola impregnada de preconceito puro e duro, daquele que faria os exploradores ingleses que pela primeira vez se aventuraram nas densas selvas africanas corar de inveja. Ai pensam que esta tentativa fracassada de gente se preocupa com a "Europa", ou com a "segurança dos europeus", quando nem chiou perante as imagens que deram conta do caos em que os "hooligans" britânicos em parceria com os psicopatas belicistas russos deixaram a "sua" França, que tantas lágrimas de crocodilo a fizeram verter aquando dos ataques de Novembro no Bataclan? Ah sim, "nada a ver", pois não, e de facto a comparação é descabida - os ingleses e os russos não planearam nem tinham em mente provocar casualidades, "são mesmo assim". Imaginem o que seria se fosse premeditado. Mas alto lá, que esses podem destruir, pilhar e agredir à vontade, que são "da casa", são os "herdeiros da tradição europeia", de que a Maria Vieira tanto se orgulha e vastas vezes refere. É só olhar para ela e constatar que para ser Rapunzel, só lhe faltam as tranças. A Europa atravessa a era mais longa da sua História sem guerras, mas isso para a Maria Vieira não serve. A Maria Vieira quer sangue.

E sangue não faltou naquele lamentável acto de terrorismo que ocorreu numa discoteca na Florida na madrugada de Sábado. Pensem o que quiserem, mas é terrorismo, nem se discute, mas é também um acto individual levado a cabo por um chanfrado que apenas incidentalmente professa aquela religião. Nem vale a pena virem com coisas, pois tem tudo e mais alguma coisa a ver com essa pancada dos americanos em deixar qualquer um adquirir armas de assalto sem que seja verificada a sua idoneidade para o efeito. E este pelos vistos nem um canivete para descascar a fruta lhe devia ser permitido levar no bolso. Incidentes como este sucedem-se naquele país, onde ainda vigora uma emenda constitucional que dá o direito aos seus cidadãos de andarem armados, mas cuja pertinência se reporta ainda aos tempos em que se temia uma investida dos ex-colonizadores ingleses no sentido de reaver o território de onde foram expulsos repelidos em 1783! E lá alguém se lembrou de discutir de que religião eram os estudantes do Liceu de Columbine que entraram a disparar sobre tudo o que mexia naquela fatídica manhã de 20 de Abril de 1999, matando 12 colegas, um professor e deixando 21 feridos, suicidando-se de seguida? Ou a que divindade prestava culto o coreano que ceifou 33 vidas no Virginia Tech em Abril de 2007, um tresloucado que deixou atrás de si evidências de que era uma autêntica bomba-relógio prestes a detonar? E que importância tinha o facto de Timothy McVeigh ser um cristão anglo-saxónico quando mandou pelos ares parte de um edifício em Oklahoma City, vitimando 168 inocentes, com o pretexto de "vingar" o pastor pedófilo de um culto doentio, que promovia o incesto e a pedofilia (Waco, Texas, outro caso só por si digno de referência)? A "tara" deste mais recente "assoprado" era o ódio por homossexuais - do que nos deixam saber, e certamente que surgirão novos dados em relação ao assassino e às suas motivações. Isto vai deixar de acontecer se "impedirmos" o quê, diz a Maria Vieira? 

Para a Maria Vieira nada disto tem importância, e nem jeito para enganar seja quem for a criatura tem: com que então "Ocidente" - very internacional, indeed! Pois...cansou-se de esperar pelos "bums" do Estado Islâmico durante a abertura do Euro 2016, que andou a aguardar ansiosamente para decretar mais um "golpe desferido no coração da Europa", citando a própria. Imagino a desilusão que foi, toda tristinha, com aquela cara de mongolóide a quem mandaram parar de puxar a cauda ao cão. O que é, disse alguma coisa de mal? Então, não gostam do meu "desprezo pelo politicamente correcto"? Essa agora, para mim e aposto que para muito boa gente a imagem que descrevi corresponde tal e qual à realidade, e é o maldito do "politicamente correcto" que não nos deixa exteriorizar estas "verdades". Mas alguma vez este projecto inacabado de vertebrado pluricelular se preocupa com a Europa, ou com a cultura, ou com os "gays", ou outra coisa que não esteja directamente relacionada com o seu ódio xenófobo por uma civilização inteira de 1,2 mil milhões de pessoas, a quem nem tem sequer a coragem de se dirigir directamente - como faz a Briggite Bardot, personagem que obviamente me desagrada, mas que pelo menos é frontal e directa - e fá-lo através deste expediente nojento, que só não vê quem não quer? Está tudo ali: os média MENTEM,  DESCULPABILIZAM, OMITEM a verdade, e que verdade é essa? Que o tipo cometeu o massacre porque é um psicopata homófobo? Ora, esse acorde a Maria Vieira também consegue dedilhar; para ela o tipo MATOU POR SER QUEM É! FOI PROGRAMADO PARA MATAR, e por uma religião, meus senhores! Repito: 1,2 milhões de pessoas, homens mulheres e crianças, na maioria gente que trabalha, paga contas e tem o seu quinhão de problemas com que lidar no dia-a-dia, mas não, para esta FRAUDE, eles querem MATAR-VOS porque "pensam diferente". Uh uh, muita sorte tiveram vocês quando passaram por aquele bengali ao pé do Martim Moniz, que só por acaso tinha mandado a adaga a afiar nesse dia. 

O que chega a ser CRIMINOSO é a forma com que esta nódoa se põe ali com falinhas mansas com os patetas alegres que ainda a elogiam, dando uma de fada-madrinha, tão boazinha - e os que discordam, rua, e ala que se faz tarde. Pudera, permitisse ela o direito ao contraditório, e ainda os "hipnotizados do show biz" desatavam a pensar.  Para Maria Vieira só lhe interessa isto e mais nada: manter estas pessoas o mais afastadas de si possível. Se lhes assiste o mesmo direito que ela de partilhar do mesmo espaço? Népias, que "querem matar quem não pensa igual a eles". Que se lixem com toda a força e com uma 'ganda pinta, pá. Portanto toca a mandar vir para ontem esse choque de civilizações, que pode muito bem resultar num novo holocausto, no ressurgimento do fascismo, do estado-polícia, do ultra-proteccionismo e no reerguer dos muros que separaram os povos durante uma era por que já passámos e sabemos o que foi, e em última instância um conflito armado à escala global, porque a Maria Vieira não gosta dos islâmicos! Buh uh uh. Sim, e já agora para aqueles espertos-parvos que acenam com a patranha ridícula desta lesma me pôr um "processo por difamação" (até me custa escrever isto, de tão disparatado que se afigura), como se eu tivesse a idade mental de 3 anos, prestem atenção: mostrem-lhe isto! Façam-na saber! Do que estão à espera, ó candidatos a pulga de ratazana do esgoto? Ia ser muita giro vê-la tentar passar um juiz de Direito por idiota, convencendo-o de que o que está ali não é uma forma declarada de fomentar o crime de ódio. Então, força, vão em frente, ó inteligências embargadas e em risco de ruir. Patético...


2 comentários:

Madalena Nunes disse...

Wow! Esta merece palmas...
A Maria `e apenas uma pseudo-jornalista (sem curso) e nada mais alem disso. Tenho imensa pena mas cheguei `a (triste) conclusao de que ela tem apenas um ponto de vista: o dela e que por vezes nao sabe (ou nao quer saber) do que fala.
O medir todos pelo mesmo `e errado e nada ;lhe acrescenta pois fanaticos nao teem religiao, teem ideais fora de contexto e esse `e o problema. Ela esqueceu que alguns dos maiores crimes foram cometidos por cristaos tambem, o holocausto por exemplo; os crimes cometidos pelos monges Templarios e outros tantos mais que ate' estao bem documentados na historia. E mais recentemente em `Africa durante os anos 60/70 e as guerras coloniais.
Ela deveria falar menos e ler mais para assim obter toda a informacao necessaria para nao dizer tanta "barbaridade".
So' sei que com tudo isto ela perdeu mais uma fa: EU!
A Maria deveria manter-se naquilo que ela faz melhor, comedia e deixar o "jornalismo" para quem sabe o que faz e diz!

Leocardo disse...

Obrigado, Madalena, e parabéns pela forma como lidou com a "besta" (no sentido de que ela fica furiosa quando insistem em contradizê-la, e costuma bloquear quem lhe dá duas respostas). Já li algures que quem mantém aquela página é o marido dela, que também foi responsável pelos livros de viagem que referi na nossa conversa. Mesmo assim, é a imagem dela. Pena.

Cumprimentos e mais uma vez obrigado.