domingo, 6 de julho de 2008

Festival de San Fermín


Hoje é dia do início do Festival de San Fermín, em Pamplona. A festa é mais conhecida pelo encierro de toiros, onde locais bem como turistas de todo o mundo correm à frente dos bovinos pelas ruas da capital de Navarra. O festival inicia-se ao meio-dia de hoje e encerra-se à meia noite do próximo dia 14.

21 comentários:

Anónimo disse...

E este fim de semana é também a popular festa ribatejana do Colete Encarnado.
Bem mais cheia de tradições do que essa coisa do San Fernin...

Um Vilafranquense

Leocardo disse...

Obrigado pela referência :)

Anónimo disse...

Senhor Vilafranquense,

Para sua informaçao, "essa coisa do San Fermín" tem seus origens no século XII. Se calhar nao é tradiçao suficiente...

Dito isto, desejo-lhe um feliz Colete Encarnado.

Saudaçoes espanholas.

Anónimo disse...

Touros a correr atrás de burros, é muito animal junto para o meu gosto...

Anónimo disse...

Ah bom, si era só por insultar, entao boa semana.

O Espanhol

Anónimo disse...

As festidades de San Fermin começaram no século XVI.
O Colete Encarnado realiza-se desde a década de 30, na forma que hoje é conhecida.
A grande diferença é que San Fermin não é mais do que um festival para turistas loucos e embriagados.
Vila Franca de Xira (terra que recebeu foral em 1212), tal como o nome indica era o local onde se realizava uma feira franca onde vinham mercadores do Ribatejo e Estremadura.
Um dos produtos transaccionados era gado que era conduzido nas ruas até ao terreiro da feira.
Ora o Colete Encarnado é precisamente isso, não uma largada de touros em que o objectivo é fazer vítimas entre a multidão, mas sim um desfile de gado pelas ruas da cidade conduzido por campinos.
Como vê... não faltam tradições e uma rica história ao Colete Encarnado.

Um Vilafranquense

Anónimo disse...

Sempre prefiro o San Fermín ás touradas. Pelo menos no San Fermín, normalmente, os que se lixam são os que estão lá de livre vontade. Já nas touradas, costuma lixar-se o toiro, que não pediu a ninguém para estar ali a ser espetado com ferros no lombo. E isto das touradas, para mim, é como o futebol, cada um puxa pela equipa que preferir. E eu sou 100% pelo toiro e vou ao rubro quando o toiro ganha por KO ao animal oponente.

Anónimo disse...

Para quem não percebe mesmo nada de pecuária, aqui vai uma pequena explicação:
Existem diversas raças de vacas, umas produzem mais carne, outras produzem mais leite, outras não produzem nem leite nem carne em quantidade e/ou qualidade economicamente interessantes e, ainda por cima, são agressivas. Não fossem os bárbaros que gostam de touradas e esta raça já estava extinta.
Para além da conservação de valores culturais, trata-se de garantir também a bio-diversidade. Afinal, quem é o bárbaro?

Anónimo disse...

Senhor Vilafranquense,

Ficou descansadinho?

Saudaçoes

O Espanhol

contraditório disse...

Resposta ao anónimo das 6:49.

Se quer garantir que o touro não se extinga, então faça uma reserva natural na lezíria para os touros andarem a vontade sem que uma cambada de sádicos lhes espetem ferros e que os matem de um modo barbárico e medieval com uma espada atravessada, e com uma turba a assistir, pagando bilhete e aplaudindo, quais romanos no Coliseu.
É assim que se preservam espécies animais, através de reservas naturais, ou então em cativeiro.
É triste mas é assim, quando se destroi a natureza e há cada vez menos espaço para a vida selvagem.
E quanto á " preservação de valores culturais", bom, você por exemplo deve achar que as chinesas deveriam continuar com pés minúsculos, uma tradição cultural que durou cerca de 1500 anos.
Ou entao que os indianos deveriam continuar a queimar as viúvas.
Tudo em nome da preservação dos valores culturais e da nobre tradição.
O Vitório não diria melhor.
O que é tradicional é bom, só porque é tradicional, e acabou a conversa.

Essa da preservação da espécie taurina é a ultima moda de quem quer justificar o injustificável.
Qualquer dia os chineses que tiram a bílis dos ursos tambem vão começar com essa justificaçao, quando deixar de haver razão "científica" para os efeitos da bílis do urso na medicina tradicional chinesa.

Anónimo disse...

Ah, pois, conservação de valores culturais... Então não esqueçamos que nós, portugueses, também não somos alheios à antiga cultura romana. Leões e gladiadores outra vez nas arenas, já! Em nome da cultura.

Anónimo disse...

E não esquecer os autos de fé, uma tradição cristã muito nossa que nem sei porque é que acabaram com ela.

Leocardo disse...

Acabaram com os autos de fé? Às vezes tenho dúvidas...

Anónimo disse...

Ao contraditório:
Sou o anónimo das 6:49.
Queira saber que a sua ideia das reservas na lezíria foi já seguida, chamam-se ganadarias, e não têm subsídios, e permitem outras actividades agricolas.
Quem pagava de outra forma?
Se tiver outra alternativa para a forma de financiar tais reservas, faça favor, mas não me peça dinheiro, eu concordo com a solução encontrada, o senhor é que não.
Talvez o contraditório pretendesse que a lezíria fosse como a Costa Vicentina e Sudoeste Alentejano, em que ninguém pode fazer nada (por enquanto, quando o surgir um PIN nas mãos de um dos patrocinadores do PS ou do PSD - são os mesmos -, vai ver que se pode tudo).
Preocupe-se mais com os danos infligidos ao Homem pelo seu semelhante, vai ver que terá mais sentido.

Anónimo disse...

O que é isto senão um Auto-de-Fé?
Um conjunto de pessoas que discorda das touradas a querer impor pela força a sua "verdade"?
Ainda há pouco houve um outro relacionado com o aborto.
É curioso que, salvo raras excepções, os mesmos que são contra as touradas, têm uma opinião bem mais bárbara quando se trata de infanticídio, mas com outro nome.

Anónimo disse...

Anónimo da 1.04: Primeiro vêm os pró-touradas falar da tradição e tal, cheios de argumentos e de opiniões válidos. Mas quando os que são contra as touradas também expõem os seus argumentos, já se trata de quererem impor a sua verdade pela força. Por aqui se vê como os vossos argumentos têm pés de barro, porque alguém diz duas ou três verdades que incomodam e oh da guarda que eles andam aí. Mas depois de se chocar com os argumentos dos que não concordam consigo, ainda vem falar de temas que não têm nada a ver, como o do aborto. Comparação por comparação, parece-me bem mais acertada a que compara touradas a lutas de gladiadores. O aborto é um assunto muito mais sério, em que se ouvem argumentos válidos de ambos os lados e em que é sempre difícil decidir quais os mais válidos. Na questão do aborto não há necessariamente os que são a favor, "tout court", e os que são totalmente contra. Ou acha que os que são a favor do aborto são-no pelos mesmos motivos que você é a favor das touradas, isto é, porque lhes dá prazer ver seres vivos a ser torturados, só que em vez de touros preferem criancinhas? Tenha juízo.

CONTRADITÓRIO disse...

Pois, voce não está disposto a pagar as ganadarias, mas está disposto a pagar bilhetes para ver uma tourada.
Não me venha com tretas como a preservação da especie taurina para justificar o seu gosto por touradas.
O que você gosta de ver é touros a levar com ferros no dorso, para alem de outros " atractivos" parolos da festa brava.
Você tambem provalvemente gosta de touradas á espanhola, com touros a morrer com uma espada atravessada de alto a baixo, com o bicho a espirrar sangue e a estrebuchar numa morte lenta,feito por um sádico vestido com roupa justa com lantejoulas a demonstrar todo o seu ar de "mui macho" e com os "cojones en su sitio".
Tudo em nome da santa tradição e nas suas palavras " conservação de valores culturais"
Enfim, há gente que ainda não acordou para o sec XXI.

Anónimo disse...

Apenas constatei (e não foi só agora) que as pessoas que copndenam as touradas, concordam que hajam pessoas a fazer 3 e 4 abortos por ano. A lei do aborto anterior já previa os casos dramáticos, o que se fez agora foi liberalizar o aborto de forma a que possa ser utilizada como método anticoncepcional, a única comparação que posso encontrar no que escrevi (e mesmo assim, de forma muito implícita), são os meus valores morais com os seus.
Só que eu acredito que acredita nos seus, enquanto que o Sr. não me deixa acreditar no meus e pretende que haja legislação que faça que, enquanto defensor dos meus valores, me torne um criminoso.
Agradeço que não interprete de forma torpe o que escrevo para defender os seus pontos de vista.
Tenha o senhor juízo e deixe de ser hipócrita.

Anónimo disse...

Hipócrita não é quem diz o que pensa. Hipócrita é quem apregoa uma coisa e faz outra: por exemplo, muitas das que andaram a fazer campanha pelo "não" aquando do referendo do aborto, mas que já o fizeram em clínicas de Espanha. Ou seja, são contra o aborto em Portugal porque acham que é um direito apenas de quem tem dinheiro para ir fazê-lo fora. Isso, sim, é hipocrisia, e da pior.

Anónimo disse...

Hipócrita foi um exagero, desculpe, já lhe disse que até julgo que acredita no que diz.
O meu ponto de vista sobre esta questão é este:
Para mim, uma vida humana (por mais jovem que seja) vale bem mais que a de um boi, e entre os meus amigos (e não é por isso que deixo de ser amigo deles, pois também julgo que acreditam no que dizem), os que defendem a liberalização do aborto são os mesmos que condenam as touradas.
Pessoalmente, não penso da mesma forma.

Anónimo disse...

Pronto, as posições estão definidas. Agora não vamos começar a discutir quando é que, de facto, começa a vida humana, que nunca mais daqui saímos.