terça-feira, 4 de dezembro de 2007

O melão de Chavez


O presidente venezuelano Hugo Chavez cometeu suicídio político. Propôs um referendo que visava mudar a constituição e perpetuá-lo no poder, e perdeu. Dias antes do tal referendo, Chavez mandou uma série de recados em tom de ameaça aos Estados Unidos e à Espanha, dois dos maiores parceiros económicos da Venezuela. Deu-se mal. O povo que Chavez julgava conhecer tão bem e ter sob controlo voltou-lhe as costas, e votou "não".

Chavez é, como se sabe, socialista, bolivarista - seja lá o que isso for - e grande admirador e amigo pessoal do ditador cubano Fidel Castro. Eis alguém que em pleno terceiro milénio acredita no socialismo como direcção a tomar. Um homem que olha para o exemplo de Castro, que apenas por teimosia deixou o seu país na ruína, e revê-se. Um político decente demitia-se e convocava eleições antecipadas. Chavez estará apenas a preparar o seu próximo passo.

A ladaínha de políticos como Chavez passa por "combater o imperialismo norte-americano", como quem diz, tentar reduzir a esfera de influência dos EUA no seu próprio país, e condenar a interferência norte-americana na política internacional. A maioria dos apoiantes de Chavez são pobres, e num país rico em recursos como a Venezuela, provavelmente acreditam que sem a bonomia do presidente seriam ainda mais pobres.

Não sei se devo estar grato ou não por ter os americanos como "polícias do mundo". Olhando para as alternativas, leio nas notícias que uma professora inglesa foi detida no Sudão simplesmente por ter uma eleição na sala de aula para baptizar um urso de peluche, que ficou com o nome de Maomé, o profeta do Islão, mas também um nome muito comum na onomástica dos países islâmicos. Apenas um esforço diplomático conjunto permitiu que a tal professora não tenha acabado chicoteada, ou mesmo morta.

Por falar em ursos, o partido de Vladimir Putin venceu as eleições legislativas na Rússia, o que permite ao déspota russo perpetuar-se no poder mesmo depois do próximo ano, em que deixa a presidência. Putin aniquila literalmente os seus adversários políticos e maiores críticos. Talvez Chavez devesse aprender com ele, em vez de Fidel. Putin envenena opositores, manda assassinar jornalistas, enquanto o presidente venezuelano manda fechar um canal de televisão. Amador.

9 comentários:

VICI disse...

Só uma pequena achega: Chávez não mandou fechar nenhum canal de televisão. O que fez foi promover a não renovação da respectiva licença (o que é diferente, apesar de ser uma decisão norteada por interesses pessoais/políticos).

Abraço.

Vitório Rosário Cardoso disse...

Caro Leocardo,

Isso de resultados e eleições trazem sempre imensas surpresas.
Se o Estado Novo tivesse convocado eleições no pós-II Guerra, Oliveira Salazar teria ganho com maioria absoluta, dada a sua imensa popularidade na época.
Com Marcello Caetano, se houvesse referendo ou eleições para a continuação do regime, creio que ganharia, o mesmo para a questão Ultramarina, certamente que o destino dos acontecimentos teriam sido outros.
O que se passou com o Mr. Danger, fez-me recordar a saga de referendos sobre o Aborto, só se parou de referendar o assunto quando o "Sim" ganhou. E sobre a Convenção Europeia, já não querem referendo porque a elite governante tem medo que os eleitores lhes estraguem a mama.

in vino veritas disse...

O mundo ainda vai chorar a falta do polícia americano! Aliás, basta ver o que já acontece hoje: se os ianques não actuam no Sudão, continua a tragédia do Darfur; se nada fazem quanto ao Irão, esses fanáticos acabam por ter a bomba atómica (e que Deus nos acuda); se não agem em relação a Gaza, o Hamas e a Fatah aniquilam-se; etc., etc.
Podemos censurá-los pela incapacidade de gerir o pós-guerra no Iraque, mas o mundo sem eles seria...
Além disso, o Bush vai-se embora em breve, enquanto que o Castro, o Chavez, o Putin, o Ahmadinejad, o Bin Laden e os outros fdp todos vão continuar a ameaçar o mundo.

Anónimo disse...

Eu queria ver se este tipo fosse de direita. Os bloquistas não paravam de se manifestar. Como é de esquerda vai-se fechando os olhos e falando da beleza do socialismo da mesma maneira que se fala da beleza de Cuba e da sua "Democrácia". Que bonito.

in vino veritas disse...

É sempre assim! Mau ditador é o pró-americano ou anti-comunista. Se for de esquerda, é um socialista popular, um renovador, um idealista, um libertador, um proletário!
Há gente que não aprende...
Vejam, por exemplo, os primeiros comentários a esta notícia:
http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1312615
E vejam depois a resposta da leitora Cristina, de Setúbal.

Anónimo disse...

remember?
http://jantardasquartas.blogspot.com/2007/02/uma-estranha-ideia-de-liberdade.html

Anónimo disse...

Muito disse Chavez quando, dias antes da votação, alertou o povo para o facto de estar a votar em Bush se optasse pelo não. É triste ver de que arma se servem estes políticos que, escondidos debaixo da capa do socialismo, o que mais querem é promover uma ditadura. São contra o fascismo, mas são mais controladores do que os próprios fascistas. E a não renovação da respectiva licenção deu exactamente no mesmo: o encerramento de um canal crítico em relação à governação de Chavez. Governação que enferma pelo facto de promover a nacionalização da principal indústria e de muitos outros negócios. Parece que os exemplos do passado não foram suficientes...

Anónimo disse...

força Leocardo! tens o meu apoio.
praticamente não te conheço de lado nenhum, só falámos 2 ou 3 vezes e podes ter mil e uma diferenças para mim, mas só por teres enfrentado aquela máfia escumalhosa, já és o meu herói.

não só enfrentaste aquele rabeta do Afonso/Caturo, como enfrentaste aquele verme do Reis, que mesmo sem me conhecer de lado nenhum, e sem eu nunca lhe ter dirigido a palavra, anda no meu blogue a ameaçar-me e a dar-me ordens, a dizer que me "faz a folha" se eu não fizer o que ele quer. só para veres o nível destes vermes sionistas.

é a primeira vez que estou a escrever aqui, não precisas de publicar. basta que leias.

eu não acredito em nada de nada do que eles dizem. se for a tua palavra contra a deles, acredito na tua. eu sei por experiência própria, que eles inventam "estórias" e factos falsos.

inventam que fui eu que te disse que "Afonso=Caturo", quando eu nunca comentei aqui e como se tu precisasses disso para saberes lol
se calhar, já sabias primeiro do que eu :)
eles nem acreditam nisso. querem é arrastar-me para esta novela, para eu levar também por tabela. mas podias desfazer esse "equívoco"!

tu dizes que foste ameaçado por eles antes de fazeres o que fizeste, e não apenas acredito, como tenho a certeza absoluta que é verdade, pois corresponde 100% com o padrão deles e eles fazem isso com TODOS os que não forem dos deles (escumalha neocon sionista) e ainda agora anda um deles a ameaçar-me, sem sequer jamais termos dirigido a palavra um ao outro...

estamos realmente a lidar com criminosos e psicopatas.
e não sabes da missa a metade.
o que tu fizeste àquele verme de dupla personalidade não é nada comparado ao que ele já fez...e o filho da puta tem o desplante de armar-se em "vítima"!!
tal como tem o desplante de insultar pessoas ou ideologias e depois ir falar com elas, como se nada se tivesse passado.
o filho da puta criou um blogue só a insultar-me e a chamar-me gay, sabias?
e não é de agora, é de 2010!
e o filho da puta depois vem com voz de cordeirinho dizer que é "odiado" apenas por não falar dos judeus, e não por ser o filho da puta criminoso que é.

quero lá saber se és democrata ou do PSD ou se és anti-nazi...para mim, demonstraste mais honestidade e verticalidade que aquela escumalha toda junta.

para mim não há "antifas" versus (pseudo)"nacionalistas". (portanto, antifas de direita)
para mim há portugueses.
e eles não são portugueses. são judeus ultra-sionistas.

Leocardo disse...

Tive que publicar o seu comentário, pois caso contrário não o conseguia ler todo. Bom, eu sei quem você é (pelo menos conheço o blogue) e já lhe tinha deixado uma nota a dizer isso mesmo: você é livre de seguir a ideologia que muito bem lhe apetecer, desde que não interfira com a liberdade alheia - e penso que faz isso muito bem. Quanto ao maranhal que refere, a questão coloca-se nestes termos: a partir de agora pelo menos um deles vai ter a oportunidade de contar aquelas "fabulosas" histórias que inventa às autoridades judiciais, e esses estão-se nas tintas para o que ele pensa - querem provas. E provas é coisa que por muito mais que ele esprema, não vai conseguir arranjar, porque as mentiras não se provam. Obrigado pelas suas palavras de apoio e vá ficando atento. Sei que não me conhece ou conhece mal, mas uma das minhas "qualidades" é ser bastante teimoso ;)

Abraço.