quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Alô Macau FA: o Uranga existe


Este jovem que vemos ser entrevistado no final de uma partida entre o Barakaldo e o Alavés, a contar para a II divisão "B" de Espanha de há seis anos é o hispano-macaense Ian Uranga Chong, cuja história já aqui contei num post de Abril de 2015. Sim, o Ian Uranga nasceu em 1987 em Durango, no País Basco, filho de um antigo "pelotari" que passou por Macau, e de uma encantadora senhora chinesa natural do território, que para lá dos Pirenéus partiu com o seu príncipe encantado (ena!). O Ian chegou a vir algumas vezes a Macau, quando era pequeno, mas depois disso dedicou-se de corpo e alma à carreira de futebolista. Apesar de se ter formado nos escalões jovens do Deportivo Alavés,  o jovem foi de Vitória-Gasteiz para outros pontos do Euskadi durante toda a sua carreira de sénior, nunca passando do terceiro e quarto escalões, mas sempre como profissional. Actualmente representa o Arenas Club de Getxo, desde 2012, depois de uma curta passagem pelo Lemona. Estamos aqui a falar de um jogador com um percurso não ao mais alto nível, mas que certamente impõe respeito se olharmos para o historial de jogadores com alguma ligação a Macau (o David Kong Cardoso ainda está a escrever a sua história). Olhemos para a sua ficha de jogador do Arenas para atestar isso mesmo:


Aí está: experiência, regularidade, e até alguns elogios, constam da matrícula do jogador na página do Lapreferente (olé!), que se dedica ao futebol semi-profissional, amador, regional e de formação. E não estão a ver mal, não, o rapaz tanto joga a "lateral derecho" como a "medio centro", e se precisarem de mais provas...


...tenho aqui a sua "performance chart" recente, do site Transfermarkt; Uranga defende bem, faz o corredor direito completo, e adapta-se ao centro do terreno, também. Além do mais remata bem com o pé direito, e é especialista em lances de bola parada. Reparei também no Transfermarkt que o seu contrato com o Arenas termina em Julho próximo (é sempre renovado ano após ano), e então qual é a minha ideia? 

Que vão buscá-lo e que o tragam para Macau, bolas! Custa muito tentar? O que falta a Macau fazer como fez as Filipinas, por exemplo, que fez a prospecção de talento em divisões inferiores no futebol europeu, e encontrou na Holanda, Inglaterra, Alemanha, Espanha e França jogadores de ascendência filipina, dispostos a ajudar a desenvolver o futebol do país dos seus antepassados? Aos 29 anos o Uranga deve andar um bocado farto de percorrer o Euskadi, e ainda fazia uma perninha aqui até aos 40, além de ainda ajudar na selecção, onde pode entrar directamente, pois um dos seus pais é local, e nunca representou a selecção espanhola. Não precisavam de lhe pagar nenhuma fortuna, e era um excelente pretexto para dar impulso (finalmente) aos escalões de formação - os miúdos iam adorar. 

Isto é mais um desabafo que uma sugestão, confesso, e além do mais podia ser que o rapaz não estivesse para aí virado, ou que desse meia-volta uma semana depois de chegar cá e ver isto, sei lá, tanta coisa podia acontecer. Mas isso já é outra conversa, e para a qual não tenho argumentos para esgrimir. E alguém tem?


Sem comentários: