sábado, 9 de junho de 2012

Arrancou o Euro 2012

Arrancou ontem o Euro 2012, a competição máxima a nível de selecções na Europa, e que este ano se realiza na Polónia e na Ucrânia. No jogo inaugural os polacos empataram a uma bola perante os combativos gregos, que ainda desperdiçaram uma grande penalidade na segunda parte, pelo nosso conhecido Karagounis. A Grécia, orientada pelo nosso conhecido Fernando Santos – mais respeitado em terras helénicas que no seu próprio país – promete mais uma vez atrapalhar as contas do Euro, apesar de ser a parcom a Irlanda a equipa com menos possibilidades de levantar o troféu em Kiev no próximo dia 1 de Julho em Kiev. Na outra partida do Grupo A, a Rússia goleou a Rep. Checa por 4-1, um resultado surpreendente pelos números. Os russos mostraram a sua força, apesar de terem uma selecção constituída praticamente por jogadores que alinham no campeonato russo (o “nosso” Izmailov é uma das três excepções). É caso para dizer que tarimba internacional não é sempre necessária. Hoje entra em acção a selecção portuguesa, que defronta nem mais que a Alemanha, que na minha humilde opinião é a grande favorita a vencer a prova. Para variar, existe uma onda de pessimismo em geral entre os adeptos da nossa lusa, o que é bom! O optimismo em excesso nunca foi bom conselheiro, e quem sabe se os rapazes desta vez tentam provar que estávamos enganados, mas para melhor. O facto dos portugueses terem sido a selecção que mais dinheiro gastou com o alojamento foi um mau começo: num país em crise como o nosso, isto é quase um insulto. Especialmente atendendo ao facto de que a Espanha, campeã europeia e mundial, optou mais uma vez pelo alojamento mais modesto. Mas em frente, que os jogos não se ganham no hotel. O grupo B não podia ser mais difícil; integrados com a Alemanha, Holanda e Dinamarca, vamos precisar de sofrer bastante para passar aos quartos. Vamos mesmo assim ter esperança que C. Ronaldo, Nani e cia. Provem que estão mesmo entre os melhores do mundo. Quanto ao Euro propriamente dito, acho lamentável que se realize na Polónia e na Ucrânia: o primeiro um país racista, uma espécie de quartel-general da extrema-direita europeia, e o segundo um país que não respeita os direitos humanos. Atribuir-lhes uma competição desta importância não chega a ser uma anedota. É um insulto. E já agora porque é que o jogo inaugural é na Polónia e a final na Ucrânia? A Polónia é de longe um país com mais tradições futebolísticas que a Ucrânia. Penso que aqui o dinheiro falou mais alto. Mas politiquices à parte, deixemos a bola rolar, e sigamos o Euro 2012, mais uma vez transmitido na íntegra pela TDM. Parabéns aos rapazes da Francisco Xavier Pereira, e boa sorte com os comntários – esse calcanhar de Aquiles. Um grande bem haja.

4 comentários:

Anónimo disse...

Só tenho a dizer que os comentários do Holanda-Dinamarca foram as coisas mais surreais que já ouvi.

José Freitas disse...

Tivemos o azar de não jogar nada até sofrermos o golo.
Na primeira parte estivemos a ver os alemães a jogar, que até jogaram bastante mal, passes errados para a área de Portugal, péssima finalização, caso contrário tínhamos sido goleados. Pepe rematou quase bem e Suíça 5 – Alemanha 3.
Só começamos a jogar quando sofremos o golo, mas já não havia tempo. A pergunta que se coloca é esta. Por quais razões não começamos a jogar logo no início do jogo, como a Suíça, que lhes ganhou por 5-3?
Amanhã temos a Dinamarca.
É interessante o blog.
O excelentíssimo António Borges quer que os salários de fome passem a ser salários de muita fome. Mas ele ganha um salário muito interessante e é mais um «moralista», ontem fartou-se de pregar a sua moral para os outros, mas que não usa para si próprio, na RTP1, depois da 22.30.
O LAZER É ÓPTIMO, O PIOR É QUANDO FALTA O SUBSÍDIO DE FÉRIAS.
Um programa recente da SIC Notícias disse mentiras sobre o caso «Equador», que tem frases inteiras copiadas de «Cette nuit la liberté».
MST é um «moralista» anti-Esquerda.
É sempre bom conhecer melhor um «moralista».
A Censura anda muito activa nos comentários dos blogs. Espero que deixe passar este comentário.
Em www.anticolonial21.blogspot.com está a verdade inconveniente sobre a cópia de partes de «Cette nuit la liberté» por Miguel Sousa Tavares para o livro «Equador».

Anónimo disse...

Olha que dois badochas, tu e o cromo do clarim. Eles atraem-se. Agora já vais poder levar umas cavalas...

Leocardo disse...

Fico à espera das cavalas, ó herói. E depois vemos quem é badochas.

Cumprimentos.